O PERIGO DA DELAÇÃO


 A classe política e todos aqueles que acompanham o cenário político do Rio Grande do Norte sabe onde parlamentar A ou B tem influência quando é ligado ao governo.

No governo de Rosalba Ciarlini, após o rompimento dela com o então vice-governador Robinson Faria, o diretor do IDEMA Marcelo Toscano foi exonerado e o órgão passou a ser comandado pelo grupo político de Ricardo Motta, então presidente da Assembleia Legislativa.  Para a missão Ricardo designou o cunhado Jamir Fernandes. Gutson Reinaldo, acabou caindo por lá também.

Com a deflagração da Operação Candeeiro, Gutson, então diretor administrativo, foi preso sob acusações de desvio de dinheiro e de operar para Ricardo.

Com um imenso patrimônio descoberto pelo MP, Gutson se viu encurralado e firmou acordo delação premiada.

Entregou todo mundo que ele tinha como cúmplices no esquema.

O Ministério Público denunciou o deputado Ricardo Motta e a Justiça recebeu a denúncia.

O que me faz relembrar todos esses fatos?

Quase que mensalmente "vazam" trechos da delação firmada pelo ex-diretor administrativo do IDEMA. A imprensa cumpre seu papel de divulgar, mesmo que lá na frente o delator não consiga provar tudo o que disse.

Todo cuidado é pouco ao expor pessoas sem que os fatos estejam nítidos.

Nas terras de Poti já vimos pessoas serem acusadas por delatores e ao fim do processo nada ficou comprovado.

Isso vale para o caso em questão e todos os outros.






Comentários