BARRO VERMELHO E O TOQUE DE RECOLHER


 Até o início dos anos 2000, o Barro Vermelho localizado na Zona Leste de Natal, era conhecido como um lugar tranqüilo, familiar e onde poderiam ser reproduzidos costumes típicos de interior, como colocar cadeiras nas calçadas, brincar na rua e caminhar.  

A medida que os índices de criminalidade foram aumentando em toda a cidade, a onda de violência também acometeu os moradores do Barro Vermelho. Afinal, o local não é uma ilha.

Até o final de 2010, havia um Posto Policial que contava com um veículo e duas motos para fazer as rondas na região. A medida coibia assaltos e roubos de veículos, naquela época os principais problema na segurança local.

No início do governo Rosalba Ciarlini, os policiais que serviam naquela base, foram convocados de volta ao comando geral da Polícia Militar para serem redistribuídos.

De lá pra cá, pouco ou quase nada foi feito no setor de segurança dessa região. 

Estamos em 2019 e o quadro hoje é alarmante. Diariamente há casos de arrombamentos, roubo de veículos, assaltos e já ocorreu até sequestro relâmpago.

Os moradores vivem assustados, se privando de deixar suas residências no período noturno devido ao risco do retorno.

Hoje, também é muito comum que veículos sejam deixados na parte externa das residências,  tendo em vista que virou algo corriqueiro às abordagens criminosas no momento de acesso às residências.

Comerciantes locais relatam ter tido queda drástica nas vendas, obrigando assim ter que fechar mais cedo em virtude da insegurança. 

Enquanto as autoridades fecham os olhos para o problema, os moradores vivem um "informal" toque de recolher.

Comentários