Pular para o conteúdo principal

SEMPRE JUNTOS: HENRIQUE E CUNHA TEM PEDIDO NEGADO PELA JUSTIÇA


O Juiz Federal Francisco Eduardo Guimarães, titular da 14ª Vara Federal, negou o pedido formulado pela defesa de Eduardo Consentino Cunha que pediu, nos autos do processo 0812330-44.2017.4.05.8400, conhecido como Operação Lavat, para os autos seguirem para a Justiça Eleitoral. “Apesar de mais estes esforços das defesas dos réus Henrique Alves e Eduardo Cunha no intuito de levar para a Justiça Eleitoral a apuração dos delitos aqui denunciados, buscando apoio em recente decisão emanada da Suprema Corte do país, entendo que a situação presente neste processo não se amolda aos parâmetros delineados naquele caso. Antes que tudo, é preciso deixar bem claro que o instituto da conexão não se presta à definição originária de competência, como parecem crer as defesas dos requerentes”, escreveu o Juiz Federal Francisco Eduardo Guimarães.
As defesas de Henrique Alves e Eduardo Cunha justificavam que os fatos trazidos nos autos teriam, supostamente, semelhança com entendimento do Supremo Tribunal Federal, no sentido de que se encontra corroborada a tese de que há indícios de delitos eleitorais.
O magistrado Francisco Eduardo observou ainda na sua decisão: “De início, quanto à possível existência de crimes eleitorais, constato que a denúncia, em momento algum, descreve a prática de fatos tipificados nas leis eleitorais nem, muito menos, imputa aos denunciados tais tipos de delitos. É bem verdade que trechos da denúncia fazem referência a “doações eleitorais oficiais e não oficiais”, mas em momento algum se vê no texto da denúncia que tais doações teriam sido omitidas por Henrique Alves na sua prestação de contas eleitorais”.
Os depoimentos das testemunhas de defesa no âmbito da Operação Lavat serão retomados amanhã, a partir das 9h, na sala de audiência da 14ª Vara Justiça Federal no Rio Grande do Norte.

Via Bruno Barreto/ Mossoró

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTAMOS EM NOVO ENDEREÇO

Pensando em dar uma nova cara ao nosso blog, estamos disponíveis agora no endereço www.igorhenriquecosta.com.br 
Nova cara, novas ferramentas e o compromisso de sempre.
Te esperamos lá!

BEM VOTADA EM NATAL, PETISTA DÁ CALOTE NOS NATALENSES

Não vomitem!


Na última quarta-feira durante a reunião da bancada federal do RN, uma assessora de Natália colocou a posição da deputada, que está em viagem no exterior, sobre o corte de recursos destinados ao município de Natal.

Natália votou pelo corte dos recursos que possibilitariam a construção do terminal turístico na Redinha. Por Natália Bonavides, Natal só deveria ser contemplada com 1 milhão de reais.

Para quem não sabe, a deputada foi vereadora em Natal por dois anos e tem na Capital sua principal base eleitoral.

Esperava-se que Natália retribuísse ao cidadão Natalense com trabalho. O que não aconteceu.

Ao invés de defender sua cidade, a parlamentar Petista foi flagrada invadindo a fazenda do médium João de Deus em Goiás.


Há quem diga que Natália será candidata a Prefeita de Natal. Além de covarde é atrevida.

EM DEBATE ACALORADO, DEPUTADO GEORGE SOARES LEVANTA SUSPEITA CONTRA ALYSSON

Por Rafael Duarte Agência Saiba Mais O clima esquentou na sessão desta quinta-feira (25), na Assembleia Legislativa, pouco antes da votação do reajuste dos profissionais da Educação. O líder do governo na Casa George Soares (PR) e o deputado Allyson Bezerra (Solidariedade) bateram-boca e precisaram ser contidos pelos colegas. A polêmica começou no debate sobre o projeto enviado pelo Governo que reajusta em 4,17% o salário-base dos professores e especialistas em Educação, mas descambou para o lado pessoal e provocou constrangimento geral entre os parlamentares e o público que acompanhava a sessão nas galerias. Allyson Bezerra questionou a constitucionalidade da proposta, que na avaliação dele tratava servidores ativos e aposentados de forma diferente, o que não é permitido por lei. O curioso é que o deputado do Solidariedade é membro da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, fórum adequado para questionar a legalidade do projeto, que passou pela CCJ aprovado por unanimidade pelos set…